Ciência, Religião e Política: mudanças climáticas na voz do cientista V.“Ram”

Dr. Ram and Giri 2016Fala mansa, humor delicado e senso de urgência. Foi assim que Dr. Ram se apresentou na palestra que fez dentro da St. Paul’s Episcopal Cathedral na sexta-feira, dia 15 de abril. Sua esposa Giri Ramanathan (foto) me conta que a missão dele agora é comunicar a ciência do clima e influenciar as pessoas e os políticos. V.“Ram” é Dr. Veerabhadran Ramanathan, cientista do Scripps Institute of Oceanograph da Universidade da Califórnia – San Diego (UCSD), que, em 1975, descobre que CFCs e black carbon contribuem para o aquecimento global, além do dióxido de carbono.

Além de comunicar e influenciar políticos, Dr. Ram também transforma a realidade. Como ativista, ele se junta as duas filhas, a caçula na Índia e a mais velha em Los Angeles, na ONG NexLeaf para tornar possível o uso de telefone celular como sensor para monitorar a emissão de gases de efeito estufa por fogareiros “limpos” permitindo que as donas de casa pobres recebam incentivos financeiros por contribuirem com a mitigação das mudanças climáticas. Sootswap App EnergyNextComo professor da UCSD continua realizando pesquisa aplicada sobre black carbon e desenvolve o Projeto Surya. Como conselheiro, está trabalhando com o governador Jerry Brown da Califórnia, preparando a posição do estado para a reunião internacional de assinatura de adesão dos países ao Acordo de Paris 2015, a ser realizada no Dia da Terra (22 de abril). Como cientista, é integrante de diversas academias de ciência nos Estados Unidos e na Europa, e também da Pontifical Academy of Sciences (Academia de Ciência do Vaticano).

Como integrante da Academia do Vaticano, Dr. V. “Ram” se tornou um dos mentores da Encíclica Papal sobre o clima – Laudato Si’. Sua presença ao lado do Papa Francisco em inúmeras ocasiões o fizeram uma figura pública internacional cuja mensagem alia Ciência, Religião e Política. “A Encíclica transcende o cristianismo e fala de justiça climática”, diz o cientista Ramanathan durante a palestra, enfatizando que o clima é um bem comum global. E por isso, segundo ele, é de responsabilidade de todos.

Grupo Seleto – Enquanto Dr. Ram cuida das pessoas do mundo e das pessoas pobres da Índia, sua esposa manifesta preocupação com a saúde do marido. “He just had a hearth attack (ele acabou de ter um ataque cardíaco)”, comenta Giri para justificar por que fica de olho para que ele não exagere, pois o marido trabalha muito. Giri diz que, quando acha conveniente, faz sugestões sobre as palestras com o objetivo de torna-las mais claras e sempre que pode acompanha o marido em suas caminhadas. Segundo ela, Dr. Ram se apaixonou por comunicar Ciência e vem se tornando um bem-sucedido comunicador.

O professor de Ciências da Atmosfera e do Clima e figura pública internacional faz parte de um seleto grupo de cientistas do clima que decidiram colocar não só o pé do lado de fora do laboratório, mas também o coração. Para citar dois deles: James Hansen, ex-diretor do Instituto de Estudos Espaciais da NASA, e Felipe D. Santos, diretor do programa doutoral Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável, da Universidade de Lisboa, Portugal.

A palestra de uma hora do Dr. Ram contou com 150 pessoas sentadas nos bancos da nave principal da catedral e foi recheada de emoção e humor. Tocou o coração dos ouvintes ao dizer que mudanças climáticas é uma questão de ética e moral que afeta aqueles que nem nasceram ainda, os que ainda são crianças e os mais de três bilhões de menos favorecidos do planeta. Além de falar de perto ao coração, não faltou a Dr. “Ram” um humor delicado que o empregou todas as vezes que abordava fatos que interligavam sua vida pessoal à sua vida de cientista da atmosfera e sua luta para reduzir e eliminar os efeitos das mudanças climáticas.

Tópicos extras – Dr. Ram e a palestra na St Paul’s Cathedral

Desperdício e Vegan – Vegetariano

Quando perguntado porque fala pouco sobre o tema de ser vegetariano, Dr. “Ram” respondeu que antes de pensar em mudar a dieta é preciso combater o desperdício de alimento. Ele diz que mais cedo ou mais tarde vamos eliminar carne da dieta diante dos efeitos das mudanças climáticas, mas que agora é o momento de nos preocuparmos em combater o desperdício de alimento.

Subsídio e um problema de 450 dólares

Dr. “Ram” usou matemática para mostrar que se a parcela de um bilhão de pessoas mais ricas do mundo, que causam 50% da poluição climática, dividisse entre elas o custo do que se paga de subsídio à indústria do petróleo e gás, bastaria recolher 450 dólares de cada uma delas. Afinal, o subsídio é pago com dinheiro público, isto é, do contribuinte. Na visão de Dr. “Ram” é necessário mudar o comportamento relação à natureza.

Impala e Smart

Usando de humor para falar das mudanças em sua própria vida, Apresentação2conta o sonho de ter um Impala quando ainda muito jovem cultivava o desejo de sair da comunidade pobre da Índia e vir para os Estados Unidos. “Meu sonho se transformou num sonho Smart”, diz ele enfatizando que ele e a esposa em casa possuem um Smart, palavra que também significa inteligente.

Geração e Clima

As mudanças climáticas é um problema intra e inter-geracional. Ele impacta uma geração que não nasceu ainda e também aquela que menos contribui para o problema. Segundo Dr. “Ram”, é necessário que os líderes políticos e religiosos se envolvem para que possam juntos resolver a questão, pois há uma assimetria entre quem emite CO2 e quem sofre as consequências. Durante a palestra, Dr. “Ram” lembra que, ainda que façamos uma transição para energia limpa, o dióxido de carbono que permanece na atmosfera vai estar ali pelos próximos dois séculos, afetando as gerações que neles viverem.

Ação Individual e Ação Coletiva

Na visão de Dr. “Ram”, as ações individuais são de igual importância que as ações coletivas. Para ele, os impactos são reduzidos e eliminados quando coletiva e individualmente cada um faz o que é necessário fazer, modificando comportamento e implementando políticas.

Evento – A palestra foi organizada pela Coalisão Inter-Religiosa de Energia e Luz da Califórnia (Interfaith Power & Light), que tem como meta responder às questões do aquecimento global por intermédio de medidas como conservação e eficiência energética e pela aplicação de energia renovável nas instituições religiosas que fazem parte da Coalisão. E contou com o apoio do ministério de Viver Simples da St. Paul’s Episcopal Cathedral (Simpler Living).

Papa Francisco inspira Forum Ecumênico na cidade de San Diego, California

Como transformar palavras em ação? Como trazer para o dia-a-dia a responsabilidade moral de cuidar da Casa Comum? Interfaith SDInspirada por essas perguntas e pelas palavras que Papa Francisco vem disseminando desde que chegou aos Estados Unidos há dois para sua primeira visita ao país, aqui, em San Diego (CA), a Coalisão para Preservar a Nossa Casa Comum convocou um Fórum Ecumênico para Justiça Climática (Interfaith Fórum on Climate Justice), que ocorreu nessa quinta-feira, dia 24 de setembro.

Cerca de 300 pessoas lotaram o salão da Catedral Episcopal St. Paul para o evento Many Faiths – One Planet, e leram em conjunto os cinco tópicos da Declaração para a Justiça Climática:

  • limitar a emissão de carbono, inclusive em escolhas alimentares
  • direcionar a economia para a equidade entre nações e indivíduos
  • tomar medidas concretas para evitar o consumismo
  • restringir e controlar poluição que contamina rios, oceanos, solo e ar
  • aumentar a conscientização de que somos uma única família, compartilhado recursos de nossa casa comum

Além de confirmarem a Declaração, os participantes ouviram representantes religiosos sobre como individual e coletivamente é possível contribuir para um futuro mais inclusivo e socialmente mais justo. Seis panelistas religiosos, cada um com direito a 3 minutos de fala rigorosamente contados, deixaram suas mensagens:

Kent Peters (Católico Romano): É importante o diálogo, sentar e conversar Nana Firman e Beth Johnson

Nana Firman (Islamismo): Climate change é uma questão moral e ética de nosso tempo. Líderes mulçumanos reconhecem a Encíclica Papal e convocam ação para energia limpa

Rev. Beth Johnson (Igreja Universalista): Nós precisamos de esperança e ela ajuda a gerar solidariedade. A ecologia integral nos faz pessoas de consciência

Karma Tsomo Rev J Lee Rabbi CherryKarma Tsomo (Budismo): Compaixão, responsabilidade uns para com os outros e viver com simplicidade

Rabbi Cherry (Judaísmo): Aprender a viver com menos. Climate Change não reconhece fronteiras políticas (ao fundo)

Rev. Lee Hill (Evangélico Cristão): Exercitar a fé é praticar medidas como não usar descartáveis de isopor e reciclar tudo que for possível

Além dos 6 religiosos, quatro líderes ativistas de ONGs também deixaram suas mensagens. O líder trabalhista Jim Miller ressaltou que vivemos uma crise existencial pois a revolução industrial já não traz mais progresso e por isso uma mudança de paradigma é necessário. Para ele, a justiça está no valor intergeracional. Carolina, falando em nome da Coalisão Saúde Ambiental, fez questão de lembrar que os moradores de comunidades menos favorecidas como National City e Logan sofrem de asma e câncer por conta da poluição e que por isso é preciso lutar para elevar os padrões de operação das indústrias. Juntaram-se a eles, os mobilizadores Itzel Martinez e Eddi Junsay. Itzel, estudante universitária de Estudos Étnicos, enfatizou que os afro-americanos e os nativos-americanos necessitam de acesso à alimentação saudável e à energia limpa. Eddi, voluntário da 350.org, defendeu a necessidade de políticas que digam não à extração de combustíveis fósseis, lembrando a campanha – keep it on the ground.

O evento contou com o Coral Juvenil das igrejas St. James e St. Stephen’s, ambas episcopais. Contou também com as preces pelos mulçumanos feridos e mortos na cidade de Meca, no dia de hoje, durante a cerimônia religiosa.  Durante o evento houve momento para meditação e até espaços para fotos dos participantes e postagem em mídias sociais. O evento tem cobertura em Inglês pelo veículo digital Reporting San Diego.