Avanços para o Clima e fim da emergência para Zika

O Acordo de Paris está em vigor desde 4 de novembro e começou a ser implementado dentro da COP 22 (Marrakech Climate Change Conference of the Parties), que terminou no dia 18 de novembro.

cop22-unfccc

Giant Family outside UN Climate Conference venue in Marrakech. Fonte: UNFCCC

As Decisões – CMA-1 (Meeting of the Parties to the Paris Agreement) sobre o Acordo de Paris são de reforçar a necessidade de financiamento para a transição para uma economia de baixo carbono e de transparência nas métricas de emissões reportadas pelos países. Tudo isso escrito no Ato de Proclamação de Marrakech.

Fico me perguntando se a visão obtusa da futura Administração Trump vai deixar aos chineses a liderança econômica de energia renovável. Se isso acontecer, penso que estará em jogo para os Estados Unidos perder a onda green de expansão econômica de base tecnológica. Aqui no Blog Entreposto apontei que a China será economicamente superior aos Estados Unidos em 2020, segundo projeções, e sua estratégia é aumentar em 20%, até 2030, a sua fatia de energia limpa, o que corresponde atualmente a toda a energia gerada pelas usinas movidas a carvão do país. No ensaio que escrevi sobre como o ano de 2014 foi decisivo, em escala global, para as mudanças climáticas comento que a onda de desenvolvimento para a China é a inovação tecnológica ligada a energia renovável. E os chineses continuam crescendo (6,7% em 2015), a um ritmo menor é verdade que no início do século, enquanto que os Estados Unidos estão estagnados na faixa dos 2% (2,4% em 2015 e 16 e uma projeção de 2,2% para 2017).

ccperformance-2016-world-map

Reduzir as emissões aplicando tecnologia renovável está se tornando um excelente negócio. Europa que o diga (verde no mapa)!

Mas os aspectos ambientais relacionados ao clima vão mais além que apenas reduzir emissões. Alguns estragos e impactos só podem ser minimizados com outro tipo de tecnologia. A da própria natureza, ou seja, infraestrutura verde como pântanos, duras e replantios de espécies nativas como forma de preservar o solo, evitar erosão e amortecer o impacto de furações e tempestades tropicais.

Como não dá para tirar a natureza de nossas vidas (e ela insiste em nos lembrar que fazemos parte dela!), escrevi sobre a dificuldade de convivência e adaptação com os mosquitos que os humanos mostram ter. blogue-ats-zikaAbordei o assunto no post sobre Zika que escrevi para o Blogue ATS do Grupo de Investigação Ambiente, Território e Sociedade do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL).

No post, escrevo sobre minhas reflexões sobre a significação da doença e aponto que literacia científica e foco no local são caminhos para a adaptação entre homem e mosquito. As reflexões têm por base minha experiência com a investigação social para a resposta à emergência decretada em 1 de fevereiro de 2016. No dia 17 de novembro, Zika deixou de ser uma emergência de saúde pública international, em declaração feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Zika, segundo a nota oficial da OMS, passa a integrar os programas de saúde continuados.

 

Clima, Saúde e novos desafios

Chega ao fim a Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e a presença de uma personalidade do clima figueres WHO 2016só faz lembrar que as mudanças climáticas já provocam novos cenários e novos desafios para a Saúde. A secretaria-executiva da Convenção-Quadro (UNFCCC), Christiana Figueres, falou para os delegados e apontou a disseminação de doenças causadas por vetores como uma das relações fortes entre Clima e Saúde.

Ela não falou do mosquito Aedes aegypti que amplia sua capacidade de fazer estragos. Mas a Emergência Global contra o Zika está em vigor desde fevereiro, envolvendo diversas agências das Nações Unidas e também agências Humanitárias. O mosquito Aedes causa Febre Amarela, Dengue, Chikungunya e agora Zika. O vírus do Zika tem poder de afetar bebês ainda na barriga das mamães, além ser transmitido sexualmente. Sexo e reprodução são agendas importantes nesse momento. O risco de microcefalia é superior a 13%. Os cuidados com um problema incapacitante para o indivíduo e o apoio necessário aos pais e responsáveis são desafios à gestão pública da saúde, não omitindo as questões do custo econômico.

Segundo o último boletim de atualização da Emergência de Zica e o Informe Epidemiológico de Microcefalia do Ministério da Saúde, o Brasil apresenta 1.384 casos.

Em seu discurso, Figueres enfatizou que a OMS pode usar sua autoridade e difundir que mudanças climáticas e saúde estão indissociavelmente ligados.

Whatever is good for the climate is also good for global health

Christiane Figueres, executive-director UNFCCC