Fundo Verde, conhecimento ancestral e mudanças climáticas

cop21 label miniEdição Blog Entreposto
Reportagem e Fotos Agência Jovem Internacional de Notícias
Por Giulia Motta Zanin (Italia), Jhoanna Cifuentes (Colombia) e José Jara (Argentina)

Os povos indígenas têm o direito de determinar e elaborar as prioridades e estratégias para o desenvolvimento ou utilização de suas terras ou territórios e outros recursos.

Art. 32
Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas das Nações Unidas

O evento paralelo – Fortalecendo as estratégias de mitigação e adaptação e a segurança alimentar por meio do acesso direto as Fundo Verde para o Clima – ressaltou a importância dos povos originários nas estratégias de adaptação e mitigação para as mudanças climáticas. Ainda que seja possível o acesso aos recursos do Fundo Verde do Clima, os povos originários não têm tido um papel ativo nas questões de Políticas de Adaptação e Mitigação.

“Os conhecimentos ancestrais são uma parte inseparável dos indígenas e da cultura das comunidades locais, como também das estruturas sociais, econômicas, vivências, crenças, costumes, saúde e suas relações com o meio ambiente local, fundamental para conseguir um desenvolvimento sustentável e uma ferramenta para trabalhar as mudanças climáticas”, enfatizou Jo Ann Guillao, do Centro Internacional para a Educação e Investigação das Políticas para Povos Indígenas (TEBTEBBA) das Filipinas. Para ele, mudanças climáticas, biodiversidade e conhecimentos ancestrais são um tripé. Povos Indigenas COP21

Outros tópicos também foram tratados durante o evento como o projeto REDD+ Indígena na Amazônia, dentro do programa de investimento florestal, e o projeto do povo Harakbut, no Peru. Quanto ao projeto REDD+, os povos indígenas ressaltaram a questão da titularidade, do manejo e da governabilidade do território uma vez que há pressão para o desenvolvimento de atividades como extração de petróleo e construção de hidrelétricas. Já quanto ao povo Harakbut, Luis Tayori Kentero explicou que dez comunidades estão trabalhando em parceria com o governo peruano para realizar estudos sobre a riqueza arqueológica, cultural e de sítios sagrados assim como os danos já sofridos por eles, como já acontece na região de Madre de Dios, que possui uma rica biodiversidade e que está ameaçada de se tornar um deserto em cinco anos.

Kimaren Ole Riamit, Diretor Executivo para Melhoria de Moradias Indígenas (ILEPA) do Quênia, e Victor Tauli-Corpuz, repórter especial pelos direitos dos povos indígenas para as Nações Unidas, explicaram como atender as demandas dos povos originários.

Anúncios

Compartilhando ...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s